quarta-feira, 20 de março de 2013

Racismo em Brasilia Distrito Federal Disque Denucia racismo 156, opção 7

'Nunca vai se recuperar', diz mãe de garota espancada no DF por ser negra Quatro desconhecidas teriam dado socos e chutes em menina de 12 anos. Garota pediu para mudar de escola; GDF lançou disque racismo nesta quarta. A empregada doméstica Márcia Pereira do Nascimento afirmou que nunca foi tão difícil sair de casa para trabalhar quanto nesta quarta-feira (20). A filha dela de 12 anos foi espancada perto de uma parada de ônibus da avenida Potiguar, no Recanto das Emas, no Distrito Federal, há dois dias. Quatro desconhecidas teriam socado, arranhado e chutado a garota por ela ser negra. Quatro desconhecidas teriam dado socos e chutes em braços, pernas e barriga de adolescente de 12 anos porque a vítima é negra (Foto: Raquel Morais/G1) As agressões ocorreram pela manhã, no trajeto para a escola. Acostumada a ir sozinha, a adolescente contou ter se confundido e pegado o coletivo errado. Ela desceu na terceira parada da via para trocar de ônibus, mas antes foi abordada pelas garotas, duas delas encapuzadas. "As meninas disseram que não aceitavam negras no beco delas. Minha filha falou que tudo bem, que já estava indo embora, mas elas responderam que, como ela estava lá, ela teria que pagar pelo que fez", afirma Márcia. Enquanto as duas jovens encapuzadas a imobilizavam, as outras teriam ofendido a garota e a atingido nos braços, pernas e barriga. A adolescente disse não ter ideia do tempo que passou sendo agredida e que escolheu não reagir por medo de que elas fossem ainda mais violentas. Tudo o que a menina queria era sair dali. As meninas disseram que não aceitavam negras no beco delas. Minha filha falou que tudo bem, que já estava indo embora, mas elas responderam que, como ela estava lá, ela teria que pagar pelo que fez" Márcia Pereira do Nascimento, mãe da vítima O caso foi registrado na delegacia da região na noite de segunda. A Polícia Civil informou que não vai se pronunciar a respeito até que as agressoras sejam identificadas. Na terça, a garota passou por exames no Instituto Médico Legal (IML) para confirmar as lesões. Depois, ainda mancando e reclamando de fortes dores, foi levada à Unidade de Pronto Atendimento (UPA). "É muito ruim mesmo, uma dor que nem tem como descrever, você ver um filho passando por isso. Ela só chora", diz. "Ela veio me perguntar se eu a amo de verdade, do jeito que ela é. E eu a amo e a amaria sempre, mesmo se não tivesse as duas pernas." Márcia afirmou que toda a família ficou horrorizada com o que aconteceu. Ela foi dispensada do trabalho na segunda e na terça para cuidar da filha, que também não foi à aula nesses dias. A adolescente voltou ao colégio nesta quarta para fazer uma prova de matemática. Ganhando um salário mínimo por mês para sustentar os três filhos e um neto, Márcia disse que teme pelo equilíbrio emocional da garota. "Não tenho condição de pagar um psicólogo, porque tem dias que a gente não tem nem o que comer. Ela ficou muito abalada e ainda mais reservada. Ela nunca vai se recuperar." Nesta quarta, o governo do Distrito Federal lançou o disque racismo. Por meio do 156, a população vai poder denunciar agressões a negros, indígenas, ciganos e quilombolas. Futuro Muito assustada com o que aconteceu, a adolescente pediu à mãe para morar com a avó, em Samambaia. A garota disse que quer continuar estudando, mas que sente medo de frequentar o colégio atual. "Queremos transferi-la para a escola que é perto da casa da minha mãe, que aí ela vai se sentir mais segura e eu vou ficar mais tranquila. Mas depois disso que aconteceu, quero é sair com todo mundo daqui", diz Márcia. Fã de língua portuguesa, a menina disse que quer terminar os estudos e se tornar policial. O sonho dela, afirmou, é proteger as pessoas de agressões. Outro caso A mãe de um menino de 8 anos registrou boletim de ocorrência no final de fevereiro alegando que o filho sofreu preconceito racial dentro da escola, no Núcleo Bandeirante. Uma colega de turma teria dito ao garoto que ele nunca arrumaria namorada por ser "preto, sujo, feio e fedido". A coordenação do colégio afirmou ter conhecimento sobre o caso e disse não tolerar nenhum tipo de preconceito. O caso foi encaminhado para o Conselho Tutelar. Dados da Secretaria de Segurança Pública apontaram 31 registros de injúria racial em 2012 no DF. Governo no DF cria disque denúncia para casos de racismo Alvo é a discriminação contra negros, índios, ciganos e quilombolas. Segundo a Codeplan, 53,5% da população no DF são negros ou pardos. O governo do Distrito Federal inicia nesta quarta-feira (20) o serviço de Disque Racismo, pelo qual os cidadãos podem denunciar práticas de discriminação racial. Para fazer é denúncia, é preciso ligar para o telefone 156, opção 7. A central vai registrar casos de racismo contra índios, negros, ciganos e quilombolas, informa o presidente da Codeplan, Júlio Miragaya. A central já acolhe denúncias de violência contra mulheres, além de prestar informações sobre serviços públicos, como o telematrícula e o horário dos ônibus. De acordo com Miragaya, o serviço foi criado levando em consideração que 53,5% da população no DF são de negros e pardos. A maior concentração de negros por região se encontra na Estrutural (76%) e a menor no Lago Sul e Norte (19%). "Essa diferença social por si só já é uma expressão do racismo existente na sociedade brasiliense", afirma. As denúncias de racismo mais graves serão encaminhados à Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), do governo federal. A iniciativa, vinculada ao Estatuto da Igualdade Racial e ao Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir), é coordenada pela Companhia de Planejamento do DF (Codeplan) e teve apoio do governo federal e do movimento negro.

Postar um comentário