terça-feira, 1 de outubro de 2013

Jogadores do Vitória negam estupro e afirmam que dormiram após jogo Mulher de 44 anos acusa ter sido estuprada na madrugada desta segunda. Situação teria ocorrido em apartamento de um hotel em Curitiba, no Paraná.

Ao deixar a zona de desembarque no aeroporto de Salvador, na noite desta segunda-feira (30), o diretor de futebol do clube baiano, Raimundo Queiroz, negou a denúncia de que jogadores do Vitória teriam estuprado uma mulher. O caso é investigado pela polícia do Paraná e, segundo a suposta vítima, teria ocorrido em um dos apartamentos do Hotel Bourbon, em Curitiba, onde a equipe ganhou do Atlético-PR no domingo (29). "Pela última vez, não fomos acusados de nada", afirmou o dirigente. Os nomes dos atletas indicados pela mulher à polícia não foram divulgados. O meia Felipe comentou a situação no aeroporto. O jogador negou que tenha tido qualquer contato com a mulher que prestou a queixa. "Não tenho nada a dizer. Estava dormindo. Não conheço a mulher. Nunca a vi na minha vida", diz o atleta. Do mesmo modo, o zagueiro Victor Ramos também disse que estava dormindo. Ele se negou a falar sobre o assunto. Já o goleiro Wilson deu sua opinião a respeito da suposta vítima. "Fiquei surpreso. Dormi cedo, logo depois da partida. Quando acordei, olhei na internet e vi a notícia. Isso não aconteceu. Ninguém saiu depois da partida. Acho que é como disseram: ela quer se aproveitar da situação", declarou o goleiro Wilson. O lateral Euller seguiu versão parecida. "Estou por fora dessa história da acusação de estupro. Pelo que fiquei sabendo, é mentira e ela deve estar querendo só se aproveitar", declarou. No fim desta manhã, Raimundo Queiroz já havia se pronunciado em nome do clube. Em entrevista coletiva, o diretor de futebol afirmou que a polícia paranaense não havia feito contato com o Vitória sobre o caso: "Não fomos convocados para dar qualquer tipo de declaração. Não temos nada a declarar, porque não fomos procurados por ninguém. Eles [os jogadores] ficaram todos no sétimo andar, e elas ficaram, parece, no terceiro. Não podemos falar de um assunto do qual sequer temos conhecimento. É uma afronta as coisas que estão colocando a respeito do Vitória, que não são verdade. Nós sequer fomos procurados. Não tenho o que falar com vocês", disse. Entenda o caso A Polícia Civil do Paraná investiga a denúncia registrada pela mulher, que tem 44 anos. Ela alega ter sido violentada pelos atletas, na madrugada desta segunda-feira. Em depoimento à Polícia Civil, uma amiga da vítima, que preferiu não se identificar, afirmou que não acredita que o crime tenha ocorrido. Ela disse que tinham ido ao hotel para conversar com os jogadores. Em entrevista coletiva, a delegada titular da Delegacia da Mulher, Marcia Rejane Vieira Marcondes, afirmou que a suposta vítima diz ter sido violentada, mas não entrou em detalhes. "Ela não precisa quais os atos sexuais que ela foi submetida". Marcendes disse que a vítima afirmou ter sido violentada porque estava nua na hora que acordou. "Mas ela não recorda o que aconteceu entre o momento em que ela saiu da balada e o momento em que acordou. (...) É muito preliminar, muito prematuro nós alegarmos que ocorreu um fato criminoso ou que não ocorreu”. Ainda segundo a versão da mulher, ela foi até o hotel com uma amiga, que conhecia um jogador do Vitória. “O que ela diz é que da balada vieram para este quarto cinco pessoas: ela, a amiga e mais três pessoas. Num certo momento, dessas três pessoas, duas – a amiga e um jogador – deixaram o quarto. Foram para outro lugar, e ela teria ficado com esses dois rapazes. Aí vem as divergências porque ela diz que ficou sozinha no quarto e que de repente as pessoas entraram no quarto. Outra hora diz que as pessoas estavam no quarto. Então, a princípio, ela diz que foram três, ou quatro, ou dois”. Segundo a delegada, duas pessoas já foram identificadas. Além disso, existe a suspeita de que uma terceira pessoa não faça parte da delegação do Vitória. Investigação A suposta vítima voltará à polícia para dar continuidade ao depoimento, pois, segundo a delegada, ela estava cansada. “Ela está bastante confusa, o que é compreensível, já que este fato ocorreu agora pela madrugada, pelo fato de não ter dormido, pelo fato de ter estado em uma balada. Tudo isso gera uma confusão, uma exaustão”, complementou. A delegada relatou que a vítima não apresentava sinais de embriagues, porém, disse que há relatos de que a mulher tenha bebido. A delegada afirmou também que a vítima saiu do hotel e depois de 30 minutos retornou relatando que teria sido violentada. A vítima foi acolhida por um homem que passava pelo local. Até as 13h, este homem não havia sido ouvido pela polícia. A suposta vítima foi medicada com antirretrovirais, utilizado para evitar infecção por HIV e outras doenças contagiosas, e pílula do dia seguinte, para evitar uma possível gravidez. Amiga da vítima diz acreditar na índole dos jogadores De acordo com a jovem que estava com a suposta vítima, eram quatro pessoas: ela, a mulher e mais dois jogadores. “Não rolou nada. Esta menina estava bêbada, completamente bêbada. Nós tentamos fazer com que ela tomasse um banho, e ela não quis. Eu e um outro menino saímos do quarto e supostamente os outros também saíram do quarto e ela ficou sozinha. Ou seja, ela quer a imprensa do lado dela. Ela quer tudo isso, quer aparecer”. Apesar de enfatizar que não houve crime, a jovem disse que não estava junto e, portanto, não viu se realmente a mulher ficou sozinha no quarto. “Eu não vi, mas com certeza os meninos não ficaram, pelo estado que ela estava (...). Eu acho que ela está inventando”. A jovem destacou que defende os atletas porque “conhece a índole dos jogadores e não a dela [da vítima]”. A moça disse que conhece os jogadores há, aproximadamente, um ano. Ela não quis dizer de onde conhece os jogadores. Nota do hotel A Rede Bourbon Hotéis & Resorts esclarece que todo o processo de check-in e check-out das hóspedes foi feito de acordo com o procedimento padrão da hotelaria. Durante a estadia – registrada na madrugada do dia 30 de setembro de 2013, entre 02h e 05h30 – não houve nenhuma queixa ou registro de reclamações. A Rede Bourbon preza pela privacidade dos hóspedes e não tem acesso às informações particulares de cada apartamento. fonte:g1.com

Postar um comentário