terça-feira, 8 de outubro de 2013

Prazo para apostador de PG retirar prêmio de R$ 22 milhões da mega sena termina hoje

Sortudo tem até as 16 h para retirar prêmio da Mega-Sena. Dinheiro será devolvido ao governo federal caso vencedor não aparecer Da Redação, com reportagem G1/PR Uma bolada a espera de um apostador que ainda não apareceu. A história curiosa vem de Ponta Grossa. Um sortudo acertou as seis dezenas do concurso 1.510 da Mega-Sena realizado no dia 10 de julho, em São Paulo, mas até agora não retirou o prêmio. Se ele não aparecer até as 16 h de hoje, vai perder R$ 22.933.056,04. A aposta vencedora foi feita numa lotérica no centro de Ponta Grossa há quase três meses. O dinheiro volta para o governo federal e será repassado para o Tesouro Nacional para aplicação no Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (FIES). O apostador pode retirar o prêmio em qualquer agência da Caixa Econômica Federal no Brasil. O gerente regional da caixa, diz que a greve não é desculpa e que se o apostador aparecer irá receber o prêmio. Se o ganhador aplicasse todo o dinheiro na poupança logo que ganhou hoje seriam R$ 200 mil a mais na conta bancária, ou seja, ele ganharia em juros R$ 3.800 por dia. Os números sorteados no concurso 1.510 foram 01 - 08 - 17 - 44 - 46 - 53. Moradores brincam sobre paradeiro do sortudo A notícia de que o ganhador ainda não retirou o prêmio mexe com a imaginação dos ponta-grossenses. A gerente da lotérica onde foi efetuada a aposta vencedora comentou a reportagem do G1/PR, que um servidor da prefeitura de Ponta Grossa disse que era o novo milionário. “Ele falou com uma de nossas funcionárias e disse que não era para contar para ninguém que ele havia faturado o prêmio”, conta. A gerente relata que esta pessoa não apareceu mais no estabelecimento. “Muitas pessoas vêm até a lotérica e dizem que a esposa deste funcionário da prefeitura lavou a calça do marido com o bilhete no bolso. Também disseram que, por causa disso, ele ficou no hospital e teve um infarto”, revela. Outros moradores acreditam que o sortudo jogou o bilhete, morreu ou ainda recusou o prêmio. “De repente, naqueles dias de faxina em que você vai jogando tudo, ele jogou o cartão por engano”, acredita a empresária Francielle Favarin. FONTE:G1/PR

Postar um comentário