quarta-feira, 27 de novembro de 2013

BRASILIA/DF: Preso no DF homem suspeito de guardar fotos e vídeos de pedofilia Polícia Civil diz que uma criança de 3 anos aparece nas imagens. Em outra operação, polícia prendeu suspeito de abusar vítimas de assalto.

A Polícia Civil do Distrito Federal prendeu nesta terça-feira (26) um homem de 43 anos suspeito de guardar, em um computador pessoal, 137 arquivos de fotos e vídeos de crianças sendo abusadas. Segundo a 17ª DP, Edemício Nunes foi preso em casa, na QNJ 43 de Taguatinga.
Suspeito de armazenar fotos de pedofilia algemado no banco da delegacia (Foto: Ricardo Moreira / G1) O delegado Robert Meneses afirma que o computador de Nunes foi apreendido no fim de agosto. O equipamento foi periciado e, com o resultado dessa análise, a polícia conseguiu um mandado de prisão do suspeito. Nunes trabalhava como cozinheiro em um restaurante da Asa Sul. A existência das fotos chegou ao conhecimento da polícia por meio de uma denúncia anônima. Uma pessoa que teve acesso ao computador de Nunes viu o material pornográfico e resolveu contar o caso à polícia. A delegacia solicitou, e a Justiça expediu um mandado de busca e apreensão do computador. O delegado Meneses diz que Nunes confessou que guardava arquivos. Em depoimento, o suspeito disse que há cerca de seis meses, quando voltava para casa de ônibus, ouviu dois homens comentando sobre um aplicativo que permite o acesso a fotos e vídeos de pedofilia. Nunes contou que, com o passar do tempo, ficou "viciado" no material. O delegado Meneses suspeita que os responsáveis pelo aplicativo sejam de alguma região do Leste Europeu. "A maioria das crianças mostradas nas fotos e vídeos apresenta um perfil físico semelhante ao de cidadãos da Rússia. Uma delas deveria ter por volta de 3 anos", disse o delegado. Questionado sobre que medida poderia ser tomada para evitar o acesso a aplicativos como esses no Brasil, Meneses disse que essa não é uma tarefa simples. "É difícil conseguir um bloqueio aqui. Devido a essa liberdade de expressão [na internet], é complicado filtrar o site." Edemício Nunes foi indiciado por dois crimes: por armazenar e disponibilizar arquivos contendo cenas de sexo explícito ou pornográfica envolvendo crianças ou adolescentes. Se condenado, ele pode pegar de quatro a dez anos de prisão. Outra prisão Em outro caso, a Polícia Civil conseguiu prender outro homem suspeito de cometer três assaltos e de abusar sexualmente das vítimas desses crimes em Taguatinga e Ceilândia. José Braz Rodrigues Carneiro, 37 anos, foi identificado pelas vítimas dos três casos. O primeiro foi no início de novembro, em uma quadra da QNM de Ceilândia. Por volta das 6h, uma mulher de 39 anos foi abordada por Carneiro quando saía de casa. O suspeito carregava uma faca. Segundo as investigações, ele forçou a mulher a voltar para casa. Dentro da residência estavam o marido da mulher e as duas filhas, uma de 17 e outra de 12 anos. Carneiro conseguiu trancar o pai em um dos cômodos e depois forçou a adolescente de 17 anos a tirar a roupa. Em seguida, o homem deixou a casa levando celulares, um notebook e uma bicicleta. O outro caso de violência ocorreu dez dias depois, com método semelhante. Dessa vez, na QNL 08 de Taguatinga Norte. Carneiro abordou um casal, uma mulher de 23 anos e o marido dela, de 31, segundo a polícia. Eles também tinham acabado de sair de casa. De acordo com a investigação, o suspeito fingiu que carregava uma faca e mandou que o casal voltasse para a residência. O companheiro da vítima também ficou trancado em um cômodo da casa. O delegado Meneses diz que Carneiro perguntou à mulher se o companheiro dela era um bom marido. Disse que poderia matá-lo se a resposta da mulher fosse "não". A mulher respondeu que o companheiro era um bom marido. Carneiro, porém, usou uma tesoura e obrigou a vítima a ficar nua. Em seguida, a vítima foi estuprada. O suspeito levou R$ 2 mil e dois celulares. O terceiro crime foi cometido oito dias depois, no último domingo (24), na QNL 4. Se passando por um pedreiro que estava à procura de emprego, ele bateu na porta de uma residência. Foi atendido por um garoto de 12 anos. Usando uma faca, o suspeito anunciou o assalto. Rendeu todos os moradores da casa: o pai do garoto e mais três garotas, de 10, 17 e 19 anos. Também detido em dos cômodos, o pai nada pôde fazer. Na sala, Carneiro mandou que as adolescentes tirassem a blusa. Ele fugiu depois levando um notebook, dois violões, R$ 500 e mais quatro celulares. Carneiro só foi preso nesta segunda-feira (25), em uma abordagem da Polícia Militar. O suspeito estava num carro roubado, junto com um casal. Contra ele já havia um mandado de prisão condenatória por atentado violento ao pudor cometido em 2001, em Goiás. Em depoimento, o homem negou os crimes. Ele vai responder por roubo, estupro e estrupo de vulnerável. Se condenado, pode pegar até 25 anos de prisão FONTE;G1.COM/DF

Postar um comentário