sábado, 14 de dezembro de 2013

DE BEM COM A SAÚDE AGORA: Aos 24 anos, estudante de BH perde 35 kg após ver foto sua em formatura Vitor tomou susto com sua imagem em foto com o pai na formatura da irmã. Com reeducação alimentar e atividade física, ele conseguiu sair dos 138 kg.

Vitor se assustou ao ver foto com sua família na formatura da irmã (Foto: Arquivo pessoal/Vitor de Almeida Ramos Neto ) Acostumado a ver o pai sempre maior, o jovem Vitor de Almeida Ramos Neto tomou um susto ao se ver maior do que o pai na foto de formatura de sua irmã, em 2012. “Eu não percebia que estava engordando tanto até ver aquela foto”, lembra o estudante de engenharia, de 24 anos. Com 138 kg na época e vestindo roupas no tamanho 52, o mineiro de Belo Horizonte acabou também parando no hospital com pressão alta, outro fator que interpretou como um sinal de alerta. “O médico disse que o peso estava atrapalhando minha saúde e que eu tinha duas escolhas: ou seria hipertenso para o resto da vida ou mudaria meus hábitos”, conta. Então, ele procurou uma nutricionista para ajudá-lo a fazer uma reeducação alimentar e a eliminar alimentos que eram presença obrigatória no seu cardápio. “Comia muito toda hora. Depois, passei a comer a cada 3 horas e cortei açúcar, fritura, refrigerante e outras besteiras”, diz. Frutas e verduras, até então distantes da rotina de Vitor, foram acrescentadas na sua alimentação, assim como os integrais e carnes brancas. “Foi difícil no começo, mas eu estava tão assustado que minha força de vontade foi maior”, avalia o estudante.
Vitor perdeu 35 kg com reeducação alimentar e atividade física; fotos mostram antes e depois (Foto: Arquivo pessoal/Vitor de Almeida Ramos Neto) A dificuldade foi ainda menor por causa do incentivo de familiares e amigos, principalmente na faculdade. “Eles não me deixavam comer no intervalo. Era tanta gente incentivando, que acho que esse foi um dos motivos de ter dado certo”, acredita. Extremamente dedicado à mudança, o jovem procurou também a academia para começar a fazer atividade física. “Sempre fazia um mês e parava. Dessa vez, eu fui com mais vontade e, além de fazer academia, corria todo dia depois da faculdade, por volta das 23h”, lembra. Para Vitor, o exercício não era a tarefa mais prazerosa do dia, mas ele encontrou maneiras de superar essa dificuldade. Tem que procurar algo que dê prazer. Correr na rua, por exemplo, pode ser chato, mas escolher um lugar bonito para correr pode funcionar" Vitor de Almeida Ramos Neto “Eu não gostava, mas colocava um fone de ouvido com músicas para incentivar e ia mais animado. Tem que procurar algo que dê prazer. Correr na rua, por exemplo, pode ser chato, mas escolher um lugar bonito para correr pode funcionar”, aconselha. No começo, ele fazia apenas exercícios aeróbicos, como esteira e bicicleta, mas com o tempo começou a se aventurar na musculação e também na natação. “Perdi um pouco da vergonha depois que emagreci e comecei a nadar. Hoje faço treinos diferentes, mas continuo correndo. E se não vou à academia, fico chateado”, diz. Depois de 4 meses, Vitor já havia perdido 23 kg e, animado com o resultado, ele resolveu continuar a luta para emagrecer ainda mais. “Coloquei algumas frases, fotos e uma tabela com minhas medidas atrás da porta do meu quarto para ver quando eu acordasse de manhã”, lembra.
O importante é dar o primeiro passo, se dedicar e procurar formas de incentivo”, defende o estudante (Foto: Arquivo pessoal/Vitor de Almeida Ramos Neto) Entre as fotos que incentivaram o mineiro, estava a foto do estudante de engenharia Lucas Lima Bartolotti, de 21 anos, que emagreceu depois da dificuldade para encontrar roupas (confira a reportagem clicando aqui). “Quando vi que ele ficou com um corpo bacana, me ajudou. Mas hoje é o contrário e sou eu que incentivo os outros”, conta Vitor, satisfeito. Atualmente com 103 kg, 35 kg a menos, e com a saúde 100% em dia, Vitor comemora o resultado e diz que ainda pretende perder mais 8 kg. “Tenho esperança de que, antes do semestre que vem, eu consiga”, prevê. Para quem precisa perder peso, ele dá a dica. “O importante é dar o primeiro passo, se dedicar e procurar formas de incentivo”, defende. FONTE:G1.COM

Postar um comentário