sábado, 14 de dezembro de 2013

FALTA DE ÁGUA : No Alto Sertão, moradores da Zona Rural perambulam atrás da água que resta em cacimbas

Padre ouve drama das vítimas da seca na PB O drama da seca continua penalizando a Zona Rural de praticamente todas as regiões da Paraíba. No Sertão, famílias inteiras vivem uma situação angustiante, que parece não ter fim. Diariamente, é comum encontrar nas estradas, entre as comunidades rurais, pessoas com baldes, latas e tambores à procura de água para beber, cozinhar e lavar roupa. A falta de água e alimento se junta à carência de atenção dos governantes, levando moradores das áreas mais castigadas ao desabafo e a desesperança. "Só queria que Deus olhasse pra nós. Ninguém olha pra nós. Ninguém se lembra da gente. A gente vive abandonado, a gente vive esquecido demais", Maria Aparecida Pedro da Silva. Ela tem oito filhos e tem que caminhar cerca de 2 quilômetros para encontrar água. Para tomar banho e lavar roupas algumas famílias apelam para a ajuda de parentes e amigos que moram na cidade. A água para beber, eles precisam andar no asfalto por quilômetros em busca de um cacimbão. "Seu moço, anote aí no seu caderno o seguinte: aqui a gente é esquecido, excluído. Ninguém tem dó da gente. A gente é pobre, mas é gente, tem o mesmo direito que os outros", pediu dona Maria Costa, agricultora que faz o mesmo percurso em busca de água. Os desabafos foram feitos ao padre Djacy Brasileiro por sitiantes da comunidade Lagoinha, localizado no município de São José de Piranhas (localizada no Sertão da Paraíba, a 503 quilômetros de João Pessoa). O padre, ao encontrar os moradores percorrendo longas estradas, às vezes sem saber onde encontrar, ouve os desabafos e, sem ter como prestar ajuda, sofre junto com as vítimas da seca.
Foto: Sitiantes andam longos caminhos em busca de água Créditos: Reprodução/ Facebook/ Padre Djacy São depoimentos que o padre Djacy, pároco do município de Santa Cruz, também no Sertão a 445 quilômetros da Capital paraibana, ouve diariamente nas peregrinações que faz com intuito de divulgar a situação das famílias sertanejas que sofrem com o problema cíclico da falta d'água provocada pela escassez das chuvas e de ações políticas contínuas que abasteçam os municípios nos períodos críticos. Outros depoimentos feitos por moradores da comunidade Lagoinha divulgados essa semana por padre Djacy na página dele do Facebook mostram o drama em busca de água. "Padre, a gente passa o dia carregando água. A nossa situação é triste, muito triste. Nossa vida é carregar água", disse seu Antônio Gomes. "A gente sai pela cidade de São José de Piranhas pedindo água para lavar roupas e tomar banho. Assim é nossa vida sofrida. É muito sofrimento. Só Deus olha pra nós e ninguém mais".
Foto: Casa da Comunidade Lagoinha, em São José de Piranhas Créditos: Reprodução/ Facebook/ Padre Djacy Depoimentos que emocionam o padre que continua clamando por atenção e por decisões políticas capazes de acabar ou pelo menos minimizar todo esse sofrimento. No município de São José de Piranhas, o açude que abastece a cidade tem capacidade para mais de 3 milhões de metros cúbicos de água e está com apenas 16% de sua capacidade, conforme dados divulgado pela página na web da Agência Executiva de Gestão das Águas. No posto da Companhia Estadual de Gestão das Águas de São José de Piranhas, a informação prestada foi de que a zona urbana ainda está sendo abastecida, mas a situação é preocupante na Zona Rural, em que somente cinco carros pipas estão abastecendo as comunidades. A cidade de São José de Piranhas tem aproximadamente 21 milhões de habitantes e as chuvas que caíram no ano passado não foram insuficientes para encher o açude São José e os pequenos mananciais das áreas rurais.
Foto: São mulheres e crianças que perambulam pelas as estradas Créditos: Reprodução/ Facebook/ Padre Djacy Nessas áreas, a população continua com as longas caminhadas em busca de água, utilizando latas e carroças em busca da cidade, local que ainda dispõe do produto, mas que tem prazo para acabar se não chover nos próximos meses. Além da falta d'água, a seca também traz com ela a fome. Sem chuvas, não há colheitas nos pequenos roçados e a população mais carente fica sem recursos para comprar os alimentos da cesta básica. A carência é tanta que sitiantes declaram como único recurso para sobreviver o dinheiro do programa bolsa família do governo federal."Seu Padre, a verdade a gente tem que falar. Vou falar uma coisa, lá em casa, a nossa sorte é o bolsa família. Se não fosse o bolsa família, a gente já tava era morto. E ainda tem gente 'granfina' que é contra o bolsa família", disse dona Maria Aparecida. E falam com consciência dos governantes."Padre, tá pensando que prefeito, vereador, governador, deputado, seja quem for, anda nas nossas casas pra saber da nossa situação? Anda breu. Esse povo só aparece nas eleições. A gente não tem valor de nada pra esse povo", desabafa a mulher. Padre Djacy divulga a situação dos sertanejos em seu perfis nas redes sociais, numa série de registros que denominou 'Caminhos da Sede'. O Portal Correio acompanha, com exclusividade, o roteiro feito pelo religioso. O pároco de Santa Cruz e sua luta ficaram conhecidos nacionalmente em 2011, quando ele foi à Brasília com uma cruz de lata e permaneceu de plantão em frente ao Congresso Nacional para chamar a atenção dos políticos e do povo brasileiro.
Foto: Padre Djacy foi a Brasília mostrar drama da seca Créditos: Reprodução/Divulgação FONTE:Portal Correio/O CARIRI

Postar um comentário