segunda-feira, 22 de setembro de 2014

ASSUSTADORA E PERIGOSA :EBOLA EM SERRA LEOA

Operação contra ebola em Serra Leoa encontra 70 corpos e 150 casos População do país foi obrigada a ficar em casa por três dias. 30 mil voluntários foram de porta em porta para educar os moradores. O polêmico confinamento de três dias para lutar contra o ebola em Serra Leoa permitiu detectar 150 novos casos do vírus e localizar 70 corpos, anunciaram as autoridades nesta segunda-feira (22). Durante três dias, os seis milhões de habitantes do país foram obrigados a permanecer em suas casas, enquanto 30 mil voluntários participavam em uma campanha porta a porta para educar a população na luta contra a doença, de acordo com as autoridades, que mencionaram a possibilidade de repetir a operação. "Estamos lotados de cadáveres que ainda precisamos enterrar, mas isto acontece todos os dias desde que explodiu a epidemia de ebola. E agora temos 150 novos casos", declarou Steven Gaojia, diretor do centro de operações de emergência do país. saiba mais Confinamento por ebola em Serra Leoa pode ser estendido, diz governo A partir da meia-noite, população de Serra Leoa fica confinada contra ebola O governo anunciou ainda a descoberta de 70 cadáveres, mas apenas na capital Freetown e seus arredores. Os resultados para todo o país podem aumentar consideravelmente o número global. O ministro da Saúde, Abubakarr Fofanah, disse à AFP que os voluntários conseguiram falar com 80% das casas e considerou a operação um sucesso. "Aprendemos muito com a campanha. A operação terminou, mas existe a possibilidade de outra similar em outra oportunidade", afirmou.
Maratonista Idrissa Kargbo participa como voluntário da distribuição de informações sobre ebola em Freetown, capital de Serra Leoa, nesta sexta-feira (19) (Foto: AP Photo/Michael Duff) NA INTEGRA Vírus ebola faz mais vítimas fatais entre mulheres, alerta a ONU Na Libéria, 75% das pessoas que morreram da doença eram mulheres. ONU diz que enfermeiras são as maiores vítimas na área de saúde.
A ONU Mulheres utilizou dados da Organização Mundial da Saúde para traçar um panorama sobre a situação do ebola na África. A organização descobriu que na Libéria, por exemplo, 75% das mortes foram de pessoas do sexo feminino. Já em Serra Leoa, quase seis em cada dez pacientes que perderam a vida após serem contaminadas pelo vírus eram mulheres. De acordo com a OMS, as enfermeiras são as maiores vítimas entre os funcionários da área de saúde. A ONU Mulheres afirmou que, em primeiro lugar, as mulheres afetadas precisam de informação. Segundo a agência, também deve ser levado em consideração o papel de liderança das mulheres, que acabam cuidando dos doentes. A organização diz que não existe nenhum tratamento específico para pessoas do sexo feminino. Até o momento, o ebola já infectou mais de 3.500 pessoas. Desse total, mais de 1.900 morreram. Libéria, Guiné, Serra Leoa, Nigéria, Senegal e a República Democrática do Congo registraram casos da doença. FONTE :G1.COM

Postar um comentário