segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Professoras do Paquistão se armam e aprendem a atirar após massacre Autoridades deram autorização para que portassem armas escondidas. Governo está criando oficinas de manuseio de armas para professores.

Professora maneja arma durante treinamento de segurança no Paquistão (Foto: Mohammad Sajjad/AP) Quando militantes do Talibã atacaram uma escola em Peshawar, no Paquistão, e mataram 150 crianças e professores, foi difícil retomar a rotina. A professora Shabnam Tabinda e seus colegas da escola resolveram mudar isso e se proteger - decidiram treinar como atirar em terroristas. As autoridades governamentais da fronteira noroeste do Paquistão deram autorização para que os professores portassem armas de fogo escondidas como resposta ao ataque sofrido em 16 de dezembro, um dos piores da história do Paquistão. Muitos educadores consideram imprudência armar professores e não aceitam a ideia. Mas, professores como Shabnam Tabinda, de 37 anos, pensam que ir trabalhar desarmados não é mais uma opção. Ela e outras dez professoras do Colégio da Fronteira para Mulheres têm orgulho da recém-descoberta pontaria com revólveres, e entendem que isso seja uma forma de proteger os estudantes, que têm idades entre 16 e 21 anos. Quando perguntada se sentiria confiante em matar um terrorista em sua escola, Tabinda foi enfática em sua resposta: “Sim. Se matam inocentes, com a permissão de Deus, eu vou matá-los”. 'Estamos em guerra'
Ministro da educação apoia o armamento de professores como medida de intimidar os militantes paquistaneses (Foto: Mohammad Sajjas/AP) O ministro da educação, Mushtuq Ghani, diz que seu gabinete apoia o armamento dos professores como uma medida lógica dada a realidade em que 65 mil policiais da região estão dedicados em fornecer defesa para quase 50 mil escolas. “Os terroristas precisam saber que as escolas não são indefesas, e os professores armados poderiam impedir militantes e ganhar tempo para reforços policiais chegarem”, afirmou o ministro. Os professores teriam de fornecer as suas próprias armas de fogo, que devem ser legalmente licenciados, o que muitos já possuem para defender suas casas. "Estamos em guerra", disse ele. O Talibã paquistanês matou dezenas de milhares de pessoas ao longo da última década e visa derrubar o governo e impor a sua própria marca do Islã. Após o ataque a Peshawar, o governo aumentou as operações militares na fronteira com o Afeganistão, restabeleceu a pena de morte para as pessoas condenadas por terrorismo, e mudou processos em tribunais militares em uma tentativa de parar de intimidação de testemunhas e tribunais oficiais. Escolas em todo o país foram fechadas durante várias semanas após o ataque talibã na Escola Pública do Exército, quando sete homens disfarçados de soldados paquistaneses escalaram um muro e abriram fogo contra crianças, muitos deles os filhos e filhas de militares. Quando os alunos retornaram neste mês, muitas de suas escolas tinham segurança reforçada, incluindo paredes de segurança, sistemas de vigilância de circuito fechado e guardas contratados. Alguns professores licenciados e treinados para portar armas de fogo já começaram a colocá-los em suas salas de aula. "Eu levo a minha arma, mas eu sempre a mantenho escondida, como esta", disse Meenadar Khan, um professor, levantando a camisa para revelar a arma semiautomática. Plano de defesa Ele disse que os professores em sua escola se reuniram para discutir o plano do governo e concordou que seria bom ter professores armados em caso de emergência para "defender a nossa escola e as crianças." Mas outras províncias não seguiram o plano de Peshawar para permitir que os professores carreguem uma arma escondida. Muzammal Khan, presidente provincial da Associação de Professores, em Peshawar, disse que os alunos já estão assustados com o aumento das medidas de segurança, e vendo seus professores armados iria gerar uma ansiedade desnecessária. Ele disse que as autoridades governamentais devem assumir a responsabilidade de defender as escolas do terrorismo. "Canetas pertencem em nossas mãos, não armas", disse Khan.
Professoras paquistanesas acreditam que o armamento é uma forma de proteger os alunos (Foto: Mohammad Sajjad/AP) Malik Khalid, presidente da Associação de Escolas Primárias que representam vários milhares de professores, disse que seus membros tinham votado contra a permissão de professores de suas escolas de portar armas. O governo provincial está criando oficinas de formação de armas de fogo para professores, e, nesta semana, terá uma classe para meninos e meninas em uma instituição missionária na faculdade de Edward. Lembrando de sua recém-aprendizagem em um curso de dois dias para carregar, descarregar pistolas, Tabinda disse que sua família já havia sofrido o suficiente do terrorismo Talibã. Seu marido foi ferido em um atentado suicida há alguns anos atrás. Ele ainda carrega estilhaços no estômago daquele ataque. Quando ela deu seu primeiro tiro em um alvo de papel, Tabinda disse que seu instrutor ficou impressionado que ela acertou o alvo, representado por um peito humano. Tabinda disse que ela estava visualizando os assassinos do Talibã no dia do ataque à escola quando disparou. "Eu atirei bem em seus corações", afirmou. FONTE:G1.COM

Postar um comentário