terça-feira, 24 de março de 2015

Líderes do Candomblé e da Umbanda vão à justiça contra 'Gladiadores do Altar' da Universal

Samuel Celestino 24/03/2015 - 08:47 Confronto entre Vaccari, Dilma e o PT A cúpula do PT passou a se desentender com o Palácio do Planalto e consequentemente com a presidente Dilma Rousseff. 22/03/2015 - 12:50 Lula articula bancadas do PT na Câmara e Senado De tal maneira o PT se esgarça que, incomodado, Lula resolveu – e isso já acontece – ser o articulador da bancada do partido tanto na Câmara como no Senado. Veja mais Curtas do Poder Curtas do poder Enquanto o Soberano se prepara para ficar firme e forte nas próximas eleições, o PP garantiu uma secretaria com obra de R$ 5,5 bilhões. Já a deputada Fabíola Mansur não sabe para que lado vai durante as manifestações e o vereador Léo Prates fica só na sofrência. Léo Kret, por sua vez, matou a saudade do pessoal da Câmara com uma foto sensual nas redes sociais. Quer ver mais? Veja mais Pérola do dia Léo Prates "A minha colega, creio, deveria estudar um pouco mais o Estatuto das Cidades." Líder do DEM na Câmara Municipal de Salvador ao provocar e aconselhar vereadora Aladilce Souza. Veja mais Comentários AL-BA aumenta despesas em R$ 2 milhões por ano com cargos políticos Se na Assembléia é assim, imaginemos como é no governo? Wagner aparelhou o estado com muitíssimos cargos para amigos, companheiros e aliados. A conta desta farra com dinheiro público recai sobre todos nós, contribuintes e trabalhadores, que pagamos impostos e não temos a contrapartida adequada nos serviços públicos. Há casos até escabrosos de pessoas que foram transformadas em servidores públicos efetivos pelo TJBA e de pensões vitalícias para ex-governadores, muito acima do padrão do INSS. É usar o estado a seu proveito. Quanto ao Presidente vitalício da ALBA, Dep. Marcelo Nilo, a lista do pessoal empregado na Assembléia como reda, pst e comissionados até agora não foi publicada. Lembro ao Deputado que há uma lei de transparência no país, e que o mesmo não é dono da Assembléia. O mesmo acontece com o governo estadual. Os servidores do estado agora sabem para onde o dinheiro dos cofres públicos foi empregado o que influi no não pagamento da inflação a estes. Não há mistério, se o dinheiro público é usado para um fim, evidente que não sobrará para outro. Há secretarias no governo que tem mais redas e pst que concursados. É um verdadeiro absurdo com o dinheiro público. Nestes cargos há de tudo, cabos eleitorais, companheiros, parentes, amantes, há de tudo, pago com o nosso dinheiro. Se há dinheiro para pagar os salários por que não realizam concurso público para tais cargos ? É sabido que a eficiência e produtividade de um servidor concursado é superior a que de um reda, pst ou comissionado. 24/03/2015 - 08:36 José Ney Campello assume cargo na prefeitura de Lauro de Freitas Pelo nome do cargo não deu pra entender qual será o trabalho desse senhor. Tenho um palpite, é mais um cabide de emprego para encostar o camarada que não tem condições e nem competência para atuar no setor privado. Mais um vez esse escória do PT privilegiando que não tem nada a contribuir com o Estado, apenas com o projeto político deles 24/03/2015 - 07:46 Rafael Veja mais Entrevistas Silvio Pinheiro Responsável por tocar o Plano Diretor Desenvolvimento Urbano (PDDU) e a Lei de Ocupação e Uso e da Ocupação do Solo (Louos), o secretário de Urbanismo de Salvador, Silvio Pinheiro diz tomar “todas as medidas” para que as duas leis – que ordenam a vida na cidade – não sejam judicializadas após o envio para a Câmara Municipal de Salvador – que deve acontecer no final de julho. “Nós estamos adotando todos os cuidados, pegamos as lições do PDDU de 2012, tudo que foi questionado pelo Ministério Público, para não repetir os erros. Estamos fazendo um processo limpo, transparente, rígido – do ponto de vista da legalidade- para que não tenha questionamento”, afirmou, em entrevista ao Bahia Notícias. De acordo com Pinheiro, outro ponto chave na sua pasta, atualmente, é a análise do impacto do Metrô de Salvador na Avenida Paralela. “O que nós estamos querendo assegurar é que o metrô na Paralela posso ser harmônico. Que se dê de um modo menos grave para o município para a cidade e para quem trafega pela via”, contou. Filiado, recentemente, ao Solidariedade, o secretário voltou a refutar que seu partido busque mais espaço na administração de ACM Neto (DEM). Além disso, afirmou que não foi chamado pelo prefeito para debater se será o candidato a vice-prefeito na chapa dele em 2016, como é ventilado no meio político. Veja mais Multimidia Veja os gols de Vitória 2x0 Confiança Líderes do Candomblé e da Umbanda vão à justiça contra 'Gladiadores do Altar' da Universal Líderes do Candomblé e da Umbanda vão à justiça contra 'Gladiadores do Altar' da Universal Foto: Reprodução / Facebook Religiosos do Candomblé, Umbanda e Coletivo de Entidades Negras (CEN) protocolaram uma carta aberta no Ministério Público Federal da Bahia (MPF-BA), nesta segunda-feira (23), com um pedido de investigação sobre o grupo da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) intitulado “Gladiadores do Altar”. Segundo organizadores do movimento, a representação também foi entregue em outras 22 cidades do país. "Essa igreja tem um histórico de ofensa a nossa religião. Temos medo do fomento ao ódio", disse o Sivanilton Mata, babá pecê no terreiro Oxumarê, em entrevista ao jornal Correio. Antes de entregar a representação contra a IURD, um grupo de pessoas vestidas de branco e portando cartazes realizaram uma manifestação em frente ao prédio do Ministério Publico Federal da Bahia, na avenida Paralela. O grupo "gladiadores do Altar" foi criado no final de 2014 pela Igreja Universal e também é chamado de "exército de Cristo" pelos pastores da denominação. A assessoria da Igreja nega que o grupo tenha caráter "paramilitar" e alega que "são jovens com vocação missionária" estudantes da Bíblia. Pablo Barreto, procurador-chefe do MPF-Ba, se reuniu com os manifestantes e garantiu que irá designar uma equipe para estudar o novo projeto da Universal. "É uma postura paramilitar. Nós já sofremos preconceito de vários membros da IURD, que destroem terreiros e perseguem pessoas das religiões afro nas ruas. Não vamos esperar um grupo de 6 mil homens, que se denomina como um 'exército', pegar em armas e agir contra a gente", disse o advogado Luiz Fernandes Martins, responsável pelo pedido de investigação contra a igreja no Rio de Janeiro, onde o ato reuniu dezenas de pessoas. fonte :www.bahianoticias.com.br

Postar um comentário