sábado, 11 de abril de 2015

Movimentos vão às ruas defender "Fora Dilma"; meta é atingir 400 cidades

Os movimentos que organizaram os protestos em 15 de março voltam às ruas do país neste domingo (12). Diferentemente do mês passado, os organizadores mostram consenso em torno do grito "Fora Dilma". E o número de cidades com manifestações deve passar de 400, mais que o dobro de março, de acordo com os organizadores. O movimento Vem Pra Rua, que divergia de outros grupos por não defender o impeachment da presidente Dilma Rousseff, agora se diz a favor da saída da petista. Na internet, o movimento informa que este é o tema mais importante a ser tratado nos atos de domingo: "cassação, renúncia ou impeachment - fora Dilma, mas sempre dentro da lei". Apesar da aproximação, o Vem Pra Rua permanece um pouco mais cauteloso que outros movimentos. Seu mote para domingo é "Eles não entenderam nada - o nosso partido é o Brasil", uma referência à postura do governo federal após os protestos de 15 de março. O movimento Brasil Livre é mais direto no objetivo para domingo: "Impeachment já". O Revoltados Online faz uma convocação mais radical: "Fora Dilma, fora PT". Em 15 de março, de acordo com as polícias dos 26 Estados e do Distrito Federal, cerca de 2 milhões de pessoas foram às ruas. Só na cidade de São Paulo, a Polícia Militar calculou uma multidão de 1 milhão de pessoas na avenida Paulista. O Datafolha estimou, porém, que o protesto na capital paulista reuniu 210 mil pessoas. De acordo com o instituto, a manifestação foi o maior ato político desde a campanha Diretas-Já, em 1984. No mês passado, os movimentos tinham a expectativa de realização de protestos em mais de 150 cidades. Desta vez, o Vem Pra Rua anuncia atos em mais de 400 municípios. Em São Paulo, o protesto vai acontecer novamente na avenida Paulista, no período da tarde. A Polícia Militar do Estado vai bloquear toda a extensão da via a partir do meio-dia de domingo. Os grupos que participarão devem se posicionar em pontos diferentes da avenida, sem barreiras entre eles. O grupo SOS Forças Armadas, que defende a intervenção militar, também estará presente. Em Brasília, o protesto está marcado para as 9h30 em frente ao Museu da República. No Rio de Janeiro, a manifestação acontecerá às 11h no posto 5, em Copacabana, na zona sul. A lista de cidades divulgada pelo Vem Pra Rua inclui 18 estrangeiras. Entre elas, estão Bariloche, Santiago, Nova York, Washington, Toronto, Lisboa, Londres e Sydney. Depois dos protestos de 15 de março, a presidente Dilma Rousseff anunciou um pacote de medidas de combate à corrupção, pediu uma trégua e se disse aberta ao diálogo. Na área econômica, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, vem trabalhando pela aprovação de um ajuste fiscal no Congresso. Popularidade em baixa A popularidade de Dilma sofreu uma nova baixa em março. De acordo com o Datafolha, a proporção dos que consideram o governo ruim ou péssimo saltou de 44% em fevereiro para 62% em março, o mais alto índice de reprovação de um presidente desde setembro de 1992, pouco antes do impeachment de Fernando Collor. Dilma, que chegou ao centésimo dia de seu segundo mandato na sexta-feira (10), é pressionada pela insatisfação popular, pelo ambiente hostil na Câmara dos Deputados e no Senado, por resultados ruins na economia e pelas investigações de corrupção, sobretudo na Petrobras, mas não há contra ela investigações policiais em curso nem processo de impeachment aberto no Congresso. Procurada pelo UOL, a Presidência não se manifestou sobre os protestos e não informou se Dilma ou algum representante do governo comentará os atos no domingo. O senador Aécio Neves (PSDB-MG), candidato derrotado à Presidência, conclamou a população a comparecer aos protestos. O tucano não informou, porém, se participará de alguma das manifestações. Fonte: UOL notícias

Postar um comentário