quarta-feira, 10 de junho de 2015

Sem material, aluna de escola pública do DF tira fotos de livros para estudar

Direção diz que houve 60 matrículas a mais que o esperado no 2º ano.
Garota ficou de recuperação; MEC afirma não ter recebido novo pedido.

 Fotografia tirada de página de livro por estudante da rede pública do DF que ainda não recebeu material didático (Foto: TV Globo/Reprodução)

[A gente está] se virando. Acaba prejudicando os outros alunos que têm livros [porque pedimos emprestado]. [As notas] vão por água abaixo. Tem muita gente com nota baixa"
Sabrina Caixeta,
estudante que não recebeu livros didáticos
Sem ter recebido material didático mesmo após quatro meses depois do início do ano letivo, uma aluna de ensino médio da rede pública do Distrito Federal tira fotos de livros disponíveis na biblioteca do Centro Educacional 1 do Guará para conseguir acompanhar as aulas. Sabrina Caixeta reclama que, por ter deficiência visual, enfrenta dificuldades para lidar com o improviso. A Secretaria de Educação reconhece o problema, mas diz não ter prazo para solucioná-lo.
A direção da escola informou que desde fevereiro duas turmas do 2º ano do ensino médio estão sem os oito livros didáticos – história, biologia, química, matemática, física, geografia, inglês e língua portuguesa. O problema teria ocorrido porque há 60 alunos a mais do que o que foi previsto. Sabrina, que tem 17 anos, diz se sentir prejudicada com a situação.
A estudante da rede pública do DF, Sabrina Caixeta (Foto: Sabrina Caixeta/Arquivo Pessoal)A estudante da rede pública do DF, Sabrina Caixeta (Foto: Sabrina Caixeta/Arquivo Pessoal)
“[A gente está] se virando. Acaba prejudicando os outros alunos que têm livros [porque pedimos emprestado]”, conta a menina, que pretende fazer Enem e o PAS neste ano. “[As notas] vão por água abaixo. Tem muita gente com nota baixa.”
A jovem mesmo ficou de recuperação em cinco matérias. Mãe dela, a líder comunitária Célia Caixeta afirma acreditar que a situação se repita em outras unidades de ensino e que vai buscar outros pais para tentar ver o que pode ser feito a respeito.
“Minha filha usa óculos de grau, então, para olhar as letrinhas no celular, ela reclama muito. Na biblioteca não tem livros suficientes para todos. Estudar é um direito que minha filha tem”, declarou.
Em nota, a Secretaria de Educação disse que pediu o material restante para o Ministério da Educação e que, enquanto os livros não chegam, vai tentar remanejar itens de outras escolas. O governo federal informou não ter registro de solicitações feitas pelo DF por mais material didático.
FONTE:G1.COM
Postar um comentário