domingo, 11 de outubro de 2015

Após decapitação interna, médicos conseguem reconectar cabeça de bebê

Reprodução

Uma história que tinha tudo para ter um final muito triste terminou de maneira feliz e emocionante graças à medicina. Se a vida do pequeno Jackson Taylor começou com um acidente, poderá daqui para frente ser normal como a de todas as outras crianças.

O pequeno australiano estava em um carro que acabou envolvido em um grave acidente e, com 1 ano e quatro meses de vida, sofreu uma luxação atlanto-occipital e teve duas vértebras do pescoço fraturadas após a tragédia.

O grande problema para o bebê é que o trauma que ele sofreu também é conhecido como decapitação interna. E, como o próprio nome sugere, consiste no rompimento de tecidos do pescoço que dão sustentação à cabeça. Ou seja, ele teve sua cabeça separada do resto do corpo internamente.

A situação de Jack foi bastante peculiar por um detalhe em especial. Os médicos afirmam ser um verdadeiro milagre o fato de que a medula espinhal da criança tenha ficado intocada após o acidente, o que lhe renderá a possibilidade de ter movimentos normais como os de qualquer pessoa quando crescer.

Para recuperar Jack de sua condição, os médicos submeteram a criança a uma cirurgia que durou aproximadamente seis horas. No procedimento, recuperaram a sustentação do crânio do menino utilizando um pedaço de sua própria costela.

Em processo de recuperação, Jackson terá de usar uma órtese em formato de gaiola pelos próximos dois meses. Ela irá garantir o sucesso da cirurgia ao impedir que ele movimento seu pescoço e estrague o delicado trabalho feito pelos médicos. Quase nada para quem quase perdeu sua vida.

Os pais da criança, agora, só têm motivos para comemorar. Além do sucesso da cirurgia, a criança já se adaptou à órtese e deu seus primeiros passos. Inegável o sentimento da família de que, com menos de dois anos, o pequeno Jack já renasceu para a vida.
<iframe width="560" height="315" src="https://www.youtube.com/embed/xmgNM9e1xOc" frameborder="0" allowfullscreen></iframe>
FONTE:YAHOO/
Postar um comentário